quinta-feira, 10 de junho de 2010

7 MANDAMENTOS DO HOMEM DE DEUS

Deus, o Seu servo e o Seu Reino

Para que o trabalho do homem de Deus seja profícuo, ele tem que juntar o seu pranto no altar pelas almas com os meios de comunicação disponíveis. Isso fará o seu trabalho se desenvolver mais rapidamente e, o que é mais importante, com qualidade. Se confiar apenas no seu trabalho de comunicação para que sua igreja se desenvolva, seu fracasso será inevitável, tendo em vista que o espírito de acomodação se apossará dele.
Considerando que o homem de Deus tem realmente a sua vida no altar, ou seja, corpo, alma e espírito, verifiquemos os seus sete mandamentos:

Primeiro: Ter para com o povo exatamente a mesma consideração que tem para com Deus, pois está escrito: “Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (I João 4:20).

Segundo: Chorar na luta pelo povo que Deus lhe tem enviado. Cada homem de Deus representa o Senhor Jesus, e cada pessoa que chega na igreja é enviada pelo Espírito Santo, a fim de que Seu servo lhe mostre o caminho da salvação. Uma vez salva, ela irá glorificar o Senhor Jesus. Foi por isso que Ele disse: “Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer…” (João 6.44).
O Senhor Deus disse: “Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o pórtico e o altar, e orem: Poupa o teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que as nações façam escárnio dele. Por que hão de dizer entre os povos: Onde está o seu Deus?” (Joel 2.17).

Terceiro: Jamais fazer a obra de Deus relaxadamente. O profeta Jeremias disse: “Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente…” (Jeremias 48.10) Fazer a obra de Deus relaxadamente é como enfrentar o pior inimigo com uma arma qualquer.

Quarto: Ter fome e sede de ganhar almas. Enquanto isso não acontece, o homem de Deus se sente tal qual Sara, Raquel e Ana. Elas sentiam amargura de alma, vergonha e humilhação. Esses sentimentos estão sempre importunando o homem de Deus estéril. Por isso, ele não se envergonha de chorar diante de Deus, pedindo almas.

Quinto: Ter alegria e o gozo ao ver, diante dos seus olhos, as pessoas nascerem de novo. Não há satisfação maior para aquele que tem a vida no altar do que ver pessoas que outrora pertenciam ao reino das trevas, hoje terem a plenitude do Espírito Santo, com semblantes limpos, alegres e felizes, glorificando o Nome do Senhor Jesus Cristo.

Sexto: Não ter ciúme e nem inveja do desenvolvimento do seu colega de ministério. Pelo contrário, se regozijar com o seu crescimento, e orar para que ele dê ainda mais frutos. Como aquela mulher da parábola da dracma perdida, conforme ensinou o Senhor: “Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la? E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido” (Lucas 15.8-9).

Sétimo: Não se preocupar apenas em ganhar as pessoas para o Senhor Jesus mas, sobretudo, fazê-las discípulas. Esta, aliás, é a característica mais acentuada do homem de Deus consagrado. Ele se preocupa em fazer discípulos mais do que qualquer outra coisa, pois sabe que o desenvolvimento do Reino de Deus neste mundo depende de homens que tenham o mesmo caráter do Senhor Jesus.

Fonte: Mensagens do Bispo Edir Macedo

terça-feira, 8 de junho de 2010

TESTEMUNHOS DE UMA ESPOSA DE PASTOR, MUITO FORTE!

EU ACORDEI


Entrei na igreja muito nova com 9 anos de idade e desde de então foi nascendo em mim o desejo de servir a Deus no altar, com 12 anos era obreira e casei com 21 é demorou um pouquinho , mais eu sempre tive no meu coração a certeza que o homem de Deus que eu namoraria seria o meu esposo, casamos e ficamos no Brasil 2 anos aproximadamente e, formos enviados para outro país, fomos de coração aberto… mais aberto mesmo, logo que meu esposo aprendeu a falar ( castelhano) formos para uma província, o trabalho estava desenvolvendo e vinham pessoas de uma província vizinha, elas pediam igreja lá e como não tinha pastores para que fossem enviados, meu esposo começou a fazer núcleo todos os sábados nessa província, o trabalho foi crescendo a tal ponto que foi aberto igreja , essa Província esta a 3.826 metros acima do nível do mar, enquanto meu esposo fazia o núcleo lá, eu nunca tinha ido devido ao Soroche ( mal de altura) que pode dar em algumas pessoas, mas quando se abriu a igreja não tinha como né, eu tinha que ir fui com todo amor, expectativa, povo novo, lugar novo e ate idioma novo também , lá eles usam dois idiomas o castelhano e o quechua.

Estávamos tão felizes, mais meu organismo não se adaptou, comecei a passar mal, muito mal, sentia muita tontura,falta de ar, dor de cabeça muito forte , sangrava meu nariz e ao mesmo tempo saia liquido branco, vômitos . Eu fui agüentando, meu esposo via, mas eu não reclamava, agüentava e dentro de mim falava : “meu organismo vai se adaptar” só que passaram 3 meses e nada eu continuava sentindo as mesmas coisas ao ponto de um dia eu estava descendo para ir na cozinha , meu nariz começou a sangrar e desmaie, cair rolando na escada (detalhe a casa era de 3 pisos) acordei e vi que eu estava lá embaixo, enfim para resumir fui para a capital do país buscar algum tratamento para que meu organismo se adaptasse e, meu esposo continuou lá, para minha surpresa foi diagnosticado um tumor do lado esquerdo do cérebro… sim um tumor, me assustei e passou pela minha cabeça tudo o que eu tinha feito desde que me entendo por gente, buscando um motivo para estar com esse tumor, por mais que o medico falava, não se assuste esta no inicio tem tratamento, mais eu pensava : Porque? Porque? Porque comigo? O que eu fiz? enfim comecei o tratamento longo, muito longo , a causa da aparição do tumor era simplesmente FALTA DE OXIGENIO no cérebro ( estranho né, como o organismo reage a certas situações).

Ate esse momento eu pensava ou melhor , achava que Deus tinha a “obrigação”de me guardar e me livrar de qualquer enfermidade, isso me serviu para vê que Deus não tem obrigação de nada para conosco e que o nosso corpo é carne e estar sujeito a debilitasse, enfim continuando…

Meu esposo teve que sair de lá, eu não podia voltar pra lá, comecei a me sentir um peso no ministério dele, me sentia culpada, me sentia sozinha, estávamos em num lugar que estava desenvolvendo, almas estavam sendo ganhas para o Senhor Jesus, estávamos felizes.

Fiquei 3 anos em tratamento, mais porque fiquei 3 anos? porque sabia que ficaria curada, afinal o medico tinha falado que com os medicamentos eu ficaria curada porque o tumor estava no inicio, me acomodei, sim me acomodei fui fazendo o tratamento e nada, toda vez que fazia novas ressonâncias magnéticas… lá estava o “tumor” não estava tendo resultado até que despertei por fim eu acordei, como ficar fazendo tratamento, tomando medicamentos fortes, sendo que servia a um Deus do impossível, do sobrenatural? como por minhas mãos na cabeça de uma pessoa e determinar a cura dela se eu estava doente? como orientar uma pessoa a crer, a usar a Fé se eu não estava usando minha Fé? Até quando eu ficaria aceitando aquele tumor? ou eu creia no que pregava ou não creia ! me indignei, estava cansada de tanto medicamentos, de comentários…e meu esposo, tendo que orientar as pessoas a usarem a Fé, orando por elas para serem curadas e tendo uma enferma dentro de casa.

Não, não, não, era inaceitável o que eu estava vivendo, ACORDEI ! veio a Fogueira Santa de Israel eu não tinha nada para vender, não tinha roupas, nao tinha nada de valor , mais eu tinha uma coisa, a 1 ano eu estava guardando do que sobrava para poder ir ver meus pais no Brasil, já tinha o valor da passagem, no momento da oração , antes de dar o envelope da campanha para o povo, Deus falou bem claro comigo assim: Quer ser curada? Presta atenção na oração do seu marido! Não depende dele, depende de você, quer ser curada? SACRIFICA , sacrifica a passagem para o Brasil.
Eu disse: Sim, Senhor!

Durante esses dias da campanha eu fiz uma bateria de exames, entreguei meu sacrifício no domingo, com uma dor no coração, aquilo era o meu tudo, eu estava a 4 anos sem ver meus pais e eles me cobrando, mas era o que Deus esperava de mim que eu acordasse e escutasse a voz Dele. Então, entreguei no domingo e, na quarta feira eu tinha consulta com o medico, na quarta mesmo eu ia retirar os exames que tinha feito, chegando lá as meninas da clinica, não encontravam meus exames, tiveram que imprimirmos de novo e levar pro medico assinar, na hora não me dei conta, só depois do que ouvir do medico que pude ver que foi as mãos de Deus que fizeram com que os exames não tivessem lá e fossem imprimidos de novo.

O que eu escutei do medico?

Você não tem nada, esta curada, o tumor desapareceu, seus hormônios estão normais, você é uma pessoa saudável!!!
Que alegria! minha felicidade foi tanta , ate o medico ficou feliz.
Muitas vezes , nos vemos em situações difíceis e, muitas das vezes nos acomodamos e deixamos de usar a Fé, e vamos vivendo empurrando com a barriga, mais como pregar uma coisa e viver outra? Como falar que Deus cura, liberta, transforma e, viver doente e tal, foi uma experiência muito difícil pra mim, me vê doente , me sentia culpada, sozinha, meus pais nunca souberam de nada não contei pra eles, mais quando acordei, ouvir a voz de Deus , ELE me atendeu e a cada dia tem abençoado o nosso ministério.
A Fogueira Santa não é somente para povo e sim para nós também, temos que viver o que pregamos!

Deus abençoe

Vera de Lima